sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Noel e Noemï


O Natal lá de casa tem um quê especial. Além de reunir toda a família
para uma noite de ceia, conversas e troca de presentes cultivamos
um momento que é aguardado por todos: a leitura da Carta de Noel.
Minha irmã Noemi é quem escreve por Noel há vinte e seis anos.
Todos se espalham na sala principal da casa dos meus pais. Rita,
minha outra irmã, cuida da leitura da Carta. Ao redor dos meus pais,
José e Myriam, toda a família se acomoda pelas poltronas, sofás e
almofadas. É o nosso momento mais natalino.

Uma bela constelação de filhos, netos, bisnetos, genros, nora e
agregados. Acomodados e ansiosos em ouvir a Carta de Noel,
percebemos por um momento nosso arranjo familiar e sua
diversidade. É Natal. Com essas palavras Noel começa a se dirigir a
essa constelação iluminando alguns momentos do ano de todos nós.

Relembrando as experiências mais importantes em nossas vidas
Noel nos envolve com sua elegância e humor. Sua mensagem de
Natal narra as pequenas conquistas, os acidentes, as descobertas,
as tristezas, as viagens, os casamentos, as separações, os primeiros
passos, as perdas, a esperança, os medos, os mistérios, as alegrias,
as travessias, as travessuras, as mudanças, as incertezas, as paixões
e os nascimentos.

Não há grande ou pequena história na carta de Noel. As experiências
mais banais revelam-se extraordinárias. As grandes realizações
mostram sua efemeridade. Não há competição. Cada episódio vivido
é relembrado por Noel como único e precioso. Para todos. Assim a
vida dessa família tem sido escrita e preservada a cada Natal. Sentar
num canto da sala para ouvir a Carta de Noel é o presente que mais
aguardo.


terça-feira, 19 de outubro de 2010

Deixa quieto ou não?

Passei o último domingo de manhã pedalando em Sampa. Foram cerca de 50 km que incluiram toda a ciclovia do rio Pinheiros na volta. Daia me apanhou de carro na padaria Art Pão, onde o grupo do Olavo Bikers termina o passeio. De lá demos uma passada no Sacolão para umas comprinhas. Estacionamento lotado. Um dos carros estacionado sobre duas vagas. Paro em outro lugar. Encontro a dona do carro chegar.

- Senhora, desse jeito que estacionou ninguém consegue parar na outra vaga.
- Eu parei assim por causa do outro carro (?) da próxima vez paro em cima do seu! (!!)
- Senhora, não é legal usar duas vagas. A senhora está errada, da próxima vez use só uma vaga.

Já estava longe quando ouço alguém gritando comigo. O marido dela surgiu para defendê-la. Volto e repito que não é certo ocupar duas vagas num estacionamento público. Ele fica puto. E a indignação mudou de lado. Agora é ele que está indignado com minha observação. Fiquei animado a levar essa conversa até o final, ouvir o argumento do casal, das pessoas ao redor ... mas a Daia e outro cliente me convenceram.

- Deixa quieto!

Ok. E entramos para fazer nossas comprinhas. Mas fiquei pensando num tipo de bilhete educativo para colocar no vidro desses carros que acham normal ocupar duas vagas, parar em vagas de deficientes, de idosos...

Idéias?

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Aiki Biking for Peace

Ola pessoal

Durante o mês de setembro eu vou escrever em outro blog especial sobre a ciclo viagem que estou fazendo Alemanha e Holanda visitando comunidades de Aikido, pedalando e fazendo alguns desenhos pelo caminho.

Apareça lá quando quiser.





sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Pinceladas e pedaladas

Cheguei na sexta feira com minha bicicleta empacotada para um fim de semana de pintura e pedaladas. Suely e Fernando, os organizadores do workshop, estavam no aeroporto e fomos direto almoçar no Restaurante Daissen na Comunidade Zen Budista de Florianópolis. De tarde fui acompanhado por Juliana e Monge Gensho pelo centro da cidade onde aprendi um pouco da cidade. De lá caminhei até o mirante da ilha onde fiz minha primeira foto. Era meio da tarde e o sol insistia em aparecer junto à ponte antiga que ligava a ilha ao continente. Alguns já devem saber que adoro pontes!


Arrumamos a sala de meditação do Centro Zen Budista e logo chegaram os participantes da oficina. Não muitos, oito. Para um primeiro evento achei ótimo. Poucos conhecem o Sumi-e e muitos fogem quando o tema é desenhar, pintar, criar. Logo começamos a nos apresentar e sugeri um formato diferente para esse momento. Ouvir o nome, a profissão e a idade não me diz muito para um primeiro contato. Gosto de ouvir alguma coisa curiosa, um momento importante vivido pela pessoa, algo especial. Vejo a minha vida como um riacho. E somos todos um riacho. Cada um fazendo o seu curso, alguns velozes, outros largos, outros rasos e todos cheios de nutrientes e vida em suas águas. E partindo dessa provocação - o que você me contaria do seu rio? – comecei a saber melhor quem estava por lá.

Suely e Fernando, os anfitriões

Foi um momento breve para nos conhecermos e poder apresentar a proposta da oficina. Em seguida Suely e Fernando me levaram para a Casa de Retiro Vila Fátima onde ficaria hospedado. Era tarde e tinha fome. Só havia biscoitos e café no final do corredor de cada andar. Normalmente a Casa está sempre ocupada com religiosos ou não em retiros. Mas nesta noite só haviam 6 quartos ocupados e o pior. Todos já tinha jantado. Uma senhora percebeu meu vaguear pelos corredores e perguntou se estava tudo bem. Eu devia estar com cara de esfomeado! Ela me encontrou e disse que logo haveria uma comidinha na cozinha. Ao chegar no refeitório a surpresa: sopa de aipim com pãezinhos integrais.

Na manhã de sábado me dei conta do lugar onder estava. A vista maravilhosa da Praia da Armação foi a primeira imagem do dia. Meu quarto escolhido a dedo ficava acima do mirante do Morro das Pedras!
Depois de tomar café e vislumbrar a vista do Morro das Pedras fui com meus anfitriões para a Comunidade Zen Budista de Florianópolis onde o workshop aconteceu. No mesmo lugar há o Restaurante Daissen tocado pela Bia que nos preparou o almoço no intervalo. Melhor que contar como foi este encontro é ver as imagens maravilhosas que Michel Seikan produziu quando não estava pintando. Vale a pena conferir o olhar dele.

http://picasaweb.google.com.br/zenbudhismo/SumiEAikido?feat=directlink

No domingo foi dia de pedalar pelo sul da ilha. Armação, Pantano do Sul, Lagoa do Peri, Ribeirão da Ilha, com direito a pausa para comer ostras frescas na beira-mar. Abaixo estão algumas umas imagens do passeio pela ilha. Inesquecível! Um imenso agradecimento a todos que fizeram parte do desfrute destes dias em Florianópolis.









quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Sumi-e em Floripa

Depois de algumas trocas de email e conversas via google talk com Suely Carrião, estou fazendo as malas para levar o workshop de Sumi-e para Florianópolis no próximo final de semana. Acontecerá na Comunidade Zen Budista nos dias 13 e 14 de Agosto. Agradeço também por aqui o empenho de todos na produção deste evento e o carinho com que tenho sido tratado por todos.

Como a volta esta marcada para a tarde de domingo, espero poder pedalar um pouco pela ilha com minha bicicleta e almoçar com antigos amigos que vivem em Florianópolis.



Networking Saudável

No dia 26.08, minha amiga Rita da Semente Una vai oferecer a sexta edição de um encontro criado para reunir pessoas em torno da pergunta: como se realizar e nutrir o senso de propósito maior no trabalho, em equilíbrio com a sustentablidade financeira, social, ambiental?

Vai acontecer no Hub, rua Bela Cintra, das 19h às 22h.

Segundo ela, estes encontros têm atraído pessoas muito interessantes e inspiradoras, cansadas de blablabla, realmente afim de dar esse passo. Para ter uma idéia de quem estará lá, visite a Rede NOVOLHAR -www.NOVOLHAR.ning.com e para conhecer melhor essa iniciativa, veja o vídeo abaixo que foi produzido e editado pela Eliza Capai.
Pra se inscrever nesse evento, preencha esta ficha, cujos dados fazem parte do próprio encontro de Networking:http://spreadsheets.google.com/viewform?hl=en&formkey=dDRUcDk4Tm1fdWVNbjRMeTBNX2JqYkE6MQ#gid=0.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

"A arte existe por que a vida não basta" Ferreira Gullar

Artistas e Guerreiros

Nas últimas semanas tenho conduzido algumas oficinas onde ofereço uma iniciação aos princípios do Sumi-e e do Aikido. O que me interessa nestes encontros não é ensinar Sumi-e e tão pouco o Aikido em algumas horas. Me interessa tratar da conexão entre estas artes por meio daquilo que elas tem em comum. Ambas são caminhos de harmonia e desenvolvimento. São experiências que pedem do aprendiz o exercício da atenção, da presença, da sensibilidade e da decisão. Seja usando os pincéis ou trabalhando o corpo em movimento durante a prática do Aikido, todos os sentidos devem estar ligados e isso por si é um maravilhoso exercício meditativo. Deixar o passado e o futuro de lado para viver uma experiência de ação no aqui e no agora. É difícil mas é bom. E ao final desses encontros vivenciais feitos de gestos simples e pequenas descobertas ficamos com uma sensação gostosa de ter feito uma coisa muito importante.

Que coisa é essa???

Abaixo algumas imagens da oficina "O guerreiro e o artista" na Escola de Inverno do Hub e no Dojo Kaizen em Piracicaba.


Veja mais fotos como esta em Hub Escola de Inverno




Diálogos sobre Julgamento e Rótulo

Aconteceu nos dias 24 e 31 de Julho na Palas Athena.

A psicoterapeuta Maria Fernanda Dias e eu conduzimos duas sessões de conversas sobre os presentes que julgamentos e rótulos ocultam. Foram tardes deliciosas de descobertas, risadas, pequenas histórias e alguns exercícios para perceber o mundo com um olhar mais generoso, não-violento e simples. O grande presente para mim foi a construção coletiva de um ambiente rico para conversar e aprender sobre coisas que importam.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Brasil 2010

Esse é o nome do álbum que acabei de receber da Julia, namorada do Danilo, com fotos deliciosas onde aparece a grande e complexa família Barcellos Bueno. Tem fotos maravilhosas e senti muitas saudades da minha nora e dos seus pais, Peter e Lisa.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Buenos Aires

Há cerca de um mês estive com Daia na Argentina. Não pensei duas vezes onde gastar as milhas Smile que se não fossem usadas seriam perdidas: Buenos Aires. Guillermo nos indicou um amigo uruguaio que poderia nos receber na sua casa, o Juan. Fomos acolhidos na sua casa, na verdade uma confortável república onde também moram Ezequiel, Camilo, Antonio e mais um Ezequiel. Em um final de semana conhecemos dois Ezequiéis!!! Maravilhosas pessoas.

Foram dias de turismo clássico e alternativo. Teve Plaza de Mayo, Café Tortoni, almoço em Puerto Madero, Santelmo e visita ao cemitério da Recoleta. Mas teve também Aikido no Dojo de Laura Sensei, pizza entre amigos & um belo show de tango moderno, passeio de bicicleta e trem até Tigre que é um lugar parecido com Embú das Artes em Sampa. Um lugar onde muitos argentinos vão comprar artefatos de todos os cantos do país, comer churrasco no pão e passear com as crianças. De Tigre saem também barcos turísticos com destino ao Uruguai que fica a uma hora de distância.

Um dos pontos altos para mim foi a compra de peças para montar uma nova bicicleta. Trouxe um jogo de cambio, cabos, pé de vela e corrente de primeiríssima linha pela metade do valor que pagaria aqui no Brasil. Sem pressa comprarei duas rodas, um quadro, guidão e banco e logo terei uma nova bike para fazer umas ciclo-viagens por aí. Essa coisa vicia. Além da Gallo que me acompanha para todos os cantos em São Paulo, arrematei outro dia uma Fuji 89 verde-alface (!), um pequeno tesouro para os aficcionados por uma absurda pechincha: R$ 350,00!

O albúm abaixo tem um pouco de tudo que vivemos em Buenos Aires em quatro dias de descanso. Se alguém por aí tiver milhas expirando nos próximos meses a minha sugestão está feita. E para quem quiser, encaminho as preciosas dicas de vinhos e lugares que recebi do Felipe e de minha irmã Sandra.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Novidade na blogosfera

Dentro de 90 dias viajo para Amsterdan para iniciar uma primeira jornada de Aikido e Bicicleta numa viagem até Munique.

Por que Amsterdan? Por que Munique?

A idéia inicial nasceu na vontade de comemorar meus 50 anos de vida de modo especial. Pensei em passar algumas semanas sozinho, ocasião para pensar em movimento sobre o que fiz até aqui e sobre o que mais quero fazer. Pensei no Caminho de Santiago como uma opção e logo considerei a possibilidade de incluir a bicicleta como meio de transporte neste retiro que certamente deveria incluir a visita a alguns Dojos de Aikido. Isso me levou a pensar em lugares pelo mundo que tivessem uma cultura e uma estrutura legal para pedalar e também bons lugares para fazer Aikido.

Neste momento, recebi a informação via Aiki-Extensions da criação da Semana Internacional Aiki pela Paz programada para acontecer entre 20 e 26 de Setembro. Será uma semana onde escolas de Aikido espalhadas pelo mundo serão encorajadas a promover o Aikido como ferramenta de paz.

O projeto começou a tomar forma quando um dos organizadores da Semana Internacional Aiki pela Paz, Bertram Worak Sensei, sugeriu a inclusão de Munique em meu roteiro e, se possível, estar por lá por ocasião do evento mundial. Estava definida a data e o lugar de chegada: 24 de Setembro em Munique.

E por onde começar?

A principio pensei na rota Copenhagen/Munique. O amigo João Paulo já havia feito o roteiro até Berlin e a Dinamarca é um país com notável cultura de ciclismo. Ser perfeito começar por lá e descer até Munique. A esta altura comecei a fazer aulas semanais de alemão com Andrea Khrom, pois sabia que a Alemanha seria o principal lugar desta ciclo-viagem. Aprender o básico do básico do básico por delicadeza com o país visitado: Guten tag. Guten morgen. Ich komme aus Brasil. Ich verstehe das nicht. Entshuldigung. Aufwiedersehen. Spitze!..

Dias atrás nova sincronicidade. O HUB de Amsterdan promoverá o Summer School e uma das organizadoras chama-se Valentine e é brasileira. Numa conversa nos corredores do HUB de São Paulo ela me propos criar algum workshop para oferecer por lá. Imediatamente pensei no projeto "the Sword and the Brush"onde mostro que Aikido e Sumi-e podem ser uma experiência profunda de presença no tatame e no papel . Isso tudo deu data e local para o começo da jornada. Final de agosto. Amsterdan.

As próximas perguntas: Qual bicicleta usar? A minha ou comprar uma segunda mão por lá? Qual o melhor roteiro? Quais cidades incluir? Onde ficar? Hostels? Couchsurfers? Que Dojos visitar? O que é necessário levar?..

O assunto Aiki Biking for Peace e as respostas para essas e outras perguntas vão ter de hoje em diante um blog exclusivo.
Quem quiser acompanhar essa jornada desde já basta aparecer em Http://aikibiking.blogspot.com . Conto com seus comentários por lá também.

Abraços.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Aiki Biking for Peace

No dia 20/07 completarei 50 anos.

Decidi comemorar este momento da vida fazendo uma ciclo-viagem e integrando três coisas que adoro: pedalar, desenhar e Aikido.

Pretendo desembarcar em Amsterdan no final de Agosto e viajar de bicicleta com destino a Munich para integrar as celebrações da Semana Internacional Aiki pela Paz entre 20 e 26/09 (http://www.aikipeaceweek.org)

Criei uma "vaquinha online" para me ajudar a viabilizar esta ciclo-viagem. Em troca, manterei atualizado um blog especial para compartilhar desenhos, aquarelas, fotos e histórias do projeto "Aiki Biking for Peace".

Valeu mesmo!!!!

Visite a vaquinha aqui http://vakinha.uol.com.br/Vaquinha.aspx?e=19982

terça-feira, 18 de maio de 2010

Pedalada & Inovação

Domingo às 14h, doze horas depois da Rodada Cultural no Sesc Pinheiros, começamos nova jornada com alunos, professores, coordenadores e pais de alunos do Colégio Bandeirantes. Criamos uma pedalada temática por São Paulo aproveitando o espírito da Virada Cultural e visitamos alguns lugares com o olhar para Inovação na cidade.

Nosso percurso começou no Paraíso e teve a primeira para da Ghost Bike na Avenida Paulista em memória da cicloativista Márcia Prado. Ali mesmo o JP lembrou que na quarta-feira, dia 19 de maio, acontece sempre o Pedal do Silêncio onde ciclistas caminham ao lado de suas bikes, nenhuma palavra é ouvida e todos assim homenageiam os que faleceram pedalando pelo mundo.
Logo alcançamos a Praça do Ciclista na esquina da Consolação, ponto de encontro de muitos pedalantes e ponto de partida da Bicicletada que acontece toda ultima sexta do mês.

Logo chegamos na Bela Cintra onde o Pablo Handl, um dos fundadores do HUB, contou para todos um pouco de sua história de vida e da criação de um espaço fantástico que reúne cerca de 180 empreendedores em diversas áreas num ambiente de intensa cooperação, criatividade e alegria. Seguimos para o Beco do Batman na Vila Madalena e terminamos no Ekoa Café onde fomos recebidos por mais um anfitrião, o Henrique Bussacos. Novamente ouvimos a história de um administrador de empresas que deixou uma promissora carreira em bancos de investimentos para criar em São Paulo uma cafeteria que oferecesse mais que pães de queijo e café. Esse mesmo ambiente abriga a Tekoha, também criada por ele, que comercializa artesanato de diversas comunidades brasileiras.

Já eram seis da tarde e oferecemos a opção de usar o metrô para voltarmos para o Colégio Bandeirantes. Que nada. Todos queriam voltar de bicicleta e a jornada de bicicleta e inovação terminou no comecinho da noite. Isso tudo não aconteceria sem o apoio de algumas pessoas especiais. O Emerson e o Ricardo, da coordenação do Bandeirantes, Gatti e Luis, os dois monitores que tornaram fácil e divertido o pedalar pela nossa São Paulo.

Curtam as imagens da Peladada para a Inovação.



video

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Rodada Cultural no SESC

Na Virada Cultural 2010, desenvolvi para o SESC Pinheiros um projeto que batizamos como Rodada Cultural. Contei com o apoio do João Paulo, o JP, que trabalha na Green Mobility uma consultoria em mobilidade sustentável. Desenhamos uma pedalada que percorresse alguns pontos da cidade durante a Virada Cultural num roteiro fora da muvuca que sempre se concentra na região central da cidade. Saímos às 2h da manhã da unidade do SESC Pinheiros com cerca de 50 pessoas e nosso primeiro destino foi o Centro Cultural São Paulo onde acontecia um show de tango. Curtimos um pouco, descansamos e seguimos para a Casa das Rosas. Lá a balada rolava solta e logo a pista estava cheia de capacetes, luvas e coletes dançantes. Éramos ciclistas de várias tribos como a turma da Bicicletada, do Pedala Cidadão, do Pedal da Vila, do Olavo Bikers e outros que não pertencem a nenhum grupo e apenas gostam de pedalar. Tentamos chegar para as danças árabes e israelenses que aconteciam no Centro da Cultura Judaica mas chegamos depois da festa. Estava tudo fechado às 5h e a feira da rua Oscar Freire já estava sendo montada. Passamos pelo Beco do Batman antes de chegar no SESC onde fomos recebidos com um café da manhã fantástico. Se todos soubessem o banquete que esperava os ciclistas da madrugada o grupo seria bem maior! Mas foi a primeira Rodada Cultural, uma pedalada recheada de arte, cultura .. e comida!.

Durante a pedalada por São Paulo foram feitos uns 15 vídeos curtinhos que foram transmitidos ao vivo num telão ao ar livre no SESC Pinheiros enquanto acontecia o Samba da Vela. Separei três para este post. Se quiser ver todos os filminhos visite http://qik.com/viradasescpinheiros/videos

Um agradecimento especial ao Everaldo do SESC que acreditou no projeto desde o início e à equipe de ciclistas que apoiou todo evento: Vinicius (Pedala Cidadão) Celso, Silas, Gatti e Aquiles.




quinta-feira, 6 de maio de 2010

Comida & Tristeza

Acabo de saber via Fernando Marinho, meu amado tio internauta e esperantista, que minha prima Consuelo está no Brasil e lançará seu novo livro de contos na Livraria da Travessa no Rio de Janeiro. Adoro ser Marinho e pertencer a essa família maravilhosa e cheia de talentos. Parabéns!!!